domingo

Litt Bird

http://www.ballerinabird.com/2015/01/giveaway-60-nike-free-run-store.html

Passatempo dos bons :D

http://theheavenrose.blogspot.pt/2015/01/golden-pearls-earrings-giveaway.html

quarta-feira

A ideia é como o ato mais egoista perante uma flor, primeiro descarna-se, arranca-se da raiz, retira-se do que a faz crescer e depois, oh depois, depois são dezenas de soluções para a guardar para a eternidade, ainda que desfeita, ainda que morta, ainda que sem lhe poder tocar com medo que se desfaça... É a isso que sabe, ter uma flor, saber o que já foi e amá-la apenas por isso...

quinta-feira

Das coisas que nos vêm parar aos pés e que "quase" nos fazem chorar.

"Amor, passado este tempo todo faz-me completo sentido chamar-te de amor. Amor, meu amor, sabes porquê de passado tanto tempo ainda aqui estamos? Porque não tivemos medo, talvez por alguns momentos deixamo-lo aproximar-se, mas nunca nos tocou. Nunca tive medo que acabasse, porquê? Porque movemos as montanhas para que desse certo. Nunca tive medo que falasses com o mundo, porquê? Porque nunca falarias em silêncio como nos nossos serões.
Meu amor, apaixonei-me por ti todos os dias,até ao fim da vida"

Cenas de quem trabalha

É certo que nas ultimas duas semanas tive acesso a um universo feminino que desconhecia por completo, e tenho 20 anos. Mas trabalho naquilo a que chamo de biblioteca feminina, é...
Há de lá tudo, e se não houver alguém procura na internet. Parteleiras até ao teto com os mais variados produtos, organizados ora numericamente, ora alfabéticamente, ora por cores, ora por data, organizados meticulosamente, quase doentio. Mas o mais interessante nisto tudo é o laboratório que inclui... Para além dos produtos expostos temos um armazem com ainda mais produtos e em quantidades quase industriais. E eu, na minha posição de mulher, digo-vos: nós pagamos para ser violadas quimicamente, sem abuso. Aquele armazem cheira examente ao mesmo que o laboratório de quimica do meu secundário, o qual tinha respiradores e estava celado hermeticamente. Estão a imaginar não estão? 
Aquilo que me deixa inquieta é: ao longo da vida nós metemos uma quantidade infinita de quimicos no nosso corpo para sermos nada mais nada menos que bombas, no verdadeiro sentido da palavra, se juntassemos tudo e deixassemos cair um fósforo explodiamos... Percebem o ridiculo?
Já pensaste na quantidade de vezes que podes amar e não o fazes? Das vezes em que acordas e abarcas o amor de um folgo? Das vezes em que tropeças nele e foges? Já pensaste? E então? É medo?