segunda-feira

Aquela cena que me deu hoje no estomago

Pois bem, eu sou daquelas pessoas que concorda que pessoas com problemas fisicos ou mentais devam ser tratadas de maneira igual às outras, mas tal e qual e que não usem isso para se vitimizar. Por isso não sou de contestar se uma pessoa que não tem um braço não possa andar a pendurar quadros, porque realmente nao pode, não tem condições necessárias, assim como uma pessoa que não tenha qualquer restrição fisica ou mental, não possa ser médica se nunca fez o curso. Somos todos tratados de maneira igual, e essa maneira igual implica obrigatoriamente a nossa condição humana. Nunca ninguém foi contestar para tribunal "o Hospital tal não me deixa ser médico porque não tirei o curso" certo?
E hoje lá na escola os olhos arregalaram-se quando uma professora disse a um aluno com tal condição fisica: "tens de escolher uma turma, ou esta ou a outra" e o aluno respondeu que escolhia as duas porque ia às aulas das dez de ambas as turmas, visto que as 8 horas não lhe dava muito jeito, e certa de si a professora respondeu:"isto não é assim, não é quando te dá jeito, se queres levantas-te as oito como os teus colegas, mas escolhe uma turma". Fez-se aquele silêncio sepucral e houve olhares criticos à professora. Eu sorri, porque ele quer ser tratado como aluno mas vem às aulas que lhe apetece, e depois passa as aulas a mexer no telemovel a jogar porque "eu posso porque sou assim e ninguém me vai dizer nada".
Depois disso foi mesmo cair lhe o lápis e ele olhar para mim e dizer: "caiu-me o lápis" assim, tipo apanha-o porque "eu posso porque sou assim e ninguém me vai dizer nada" e o se faz favor menino?
Igual por igual implica educação e vontade.

Sem comentários:

Enviar um comentário