segunda-feira

adeus 2011

Num jeitinho de cliché: que seja melhor que 2011, e se não for, que seja igual. porque foi realmente bom.
Eu comecei 2011 com grandes sustos, com os quais chorei muito e tive realmente medo de perder pessoas que amo imenso, uma pessoa na verdade, comecei também por ter medo do que me pudesse acontecer, mas ao mesmo tempo querer ficar melhor, foi com isto que aprendi que precisamos de correr sacrifícios para ficarmos melhor e que aprendi que devemos dizer o que sentimos, talvez não a toda a gente, mas aos que realmente devemos, à família essencialmente. Fui notando, com o passar do tempo, que na vida, de vez em quando, hà substituições, temos e devemos deixar ir algumas pessoas que simplesmente não querem ficar, por muitas promessas que tenham feito, por vezes é com isso que aparecem outras ainda melhor. Em 2011 comecei realmente a ver quem era bom para mim, e quem não era, bem isto já vem da ultima metade de 2010, acho que este ano foi o ano em que aprendi a não ser (tão) influenciável, ou talvez cínica, de maneira a acenar várias vezes com a cabeça mesmo não aceitando ideias, e a sorrir mesmo não acreditando em promessas, chamem o que quiserem, chamem-me o que quiserem, este passou a ser o meu mecanismo de defesa. Foi o ano em que eu amei com mais intensidade as pessoas e o ano em que menos o disse, passo a explicar o porquê: eu já fui menina-criança (leia-se: pita) e dizia-o a TODA a gente que entrava na minha vida, é que aquilo era: "amOOO.te'zzz @@ <333" sim eu já fui das que escreveu assim... e agora tenho de ter peso e medida em tudo o que faço, quando o faço, como e a quem o faço. Apliquei-me muito este ano porque aprendi que é melhor garantir qualquer coisa para o futuro do que esperar cunhas e empurrões de alguém, ou então esperar um (grande) milagre do céu. Resumindo: 2011 foi bom, perdi, ganhei e assustei-me, aprendi a valorizar imenso o que tenho, e a ser mais reservada, mesmo que me apeteça fazer uma manchete de jornal, descobri novos interesses e hobbies e desejei aprofundá-los a todos... e agora que 2011 já passou eu não poderia ter tido melhores pessoas na minha vida, e não poderia ter escolhido melhores pessoas para "virar" o ano (adoro esta expressão brasileira). O que mais quero é que mesmo que entremos para diferentes universidades, e que estejamos todos longe uns dos outros, nos mantenhamos fieis a esta amizade enorme, que para mim foi das coisas melhores que me podia acontecer. Obrigada, a todos.

Sem comentários:

Enviar um comentário