domingo

a carta à minha irmã

17 de Abril.
Matilde,
És uma rebelde, um espírito por dominar, uma alma solta, livre, a liberdade patente em cada molécula de oxigénio. Tens um mundo condensado no teu sorriso, tens a vida pela a frente, amores e desamores, sabores e dissabores, tens tudo.
Mas se por acaso, e só se por acaso, o vento te levar tudo, eu te garanto uma coisa que terás sempre contigo, será então o meu amor, a minha admiração, o meu carinho, o meu respeito, o meu apoio, o meu abraço, o meu eu todo para ti. Serei sempre aquilo que me pedires, farei os possíveis e impossíveis por ti. Porque mais do que minha irmã, ensinaste-me a responsabilidade de ter uma criaturinha frenética ao nosso cargo, ensinaste-me que filhos são o melhor que podemos ter, apesar de todas as dores causadas. Tu fazes tudo valer a pena. De verdade meu amor.
Da primeira menina que te amou, e ama, que nem gente grande, da tua irmã.

Sem comentários:

Enviar um comentário