sexta-feira

11 Your current relationship, if single discuss how single life is

Vou tentar ser sincera e não ligar muito ao que as pessoas pensam ou deixam de pensar.
Na verdade eu não vejo nenhum problema em ser se solteira, é bom, somos livres, temos independência, não temos dramas, não damos justificações a ninguém, não temos ciumes, não doí, vamos a festas e divertimo-nos sem pensar em consequências. É muito bom. Mas chega a uma altura em que é mau. Chega a uma altura em que gostamos de alguém, em que desejamos esse alguém e queremos chama-lo nosso, ou 'meu'. E aí a vida de solteira é uma treta. Começamos a reparar que à nossa volta há uns quantos casalinhos muito felizes, e nós a desejar o mesmo. A altura em que precisamos do ombro amigo de um namorado, de um beijinho na testa, uma mão dada, um carinho, um olhar especial, uma mensagem mais nossa do que do resto do mundo, um sentimento forte. Por vezes isto tudo confunde-se com carência, porque precisamos deste carinho e deste amor somente, ai não vale a pena andar à procura de alguém porque os nossos estereótipos ficam na nossa cabeça e de lá não saem. Deixa de ser carência quando não procurámos, não estávamos à espera e aparece, aparece de tal maneira que deixamos de desejar a vida de solteira, deixámos de querer as festas até tarde com os amigos para querer um peito onde deitar, deixamos de querer as compras para vermos um filme mais romântico, deixamos de querer o álcool para desejar o chocolate. Deixamos de desejar um mundo, para desejarmos uma vida, uma única vida para além da nossa, a dele.

Sem comentários:

Enviar um comentário